PRIMEIRO ENCONTRO MUNICIPAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM EMBU GUAÇU

PRIMEIRO ENCONTRO MUNICIPAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM EMBU GUAÇU

Aconteceu nesta sexta feira dia 24/11/2017 na Gráfica Art final, o Primeiro Encontro Municipal de Educação Permanente em Embu Guaçu.

Estiveram presentes: Representantes das Unidades de Saúde, Pronto Socorro Cipó, CAPS, representantes do Conselho Municipal de Saúde, Conselho Tutelar e CRAS e profissionais de Carapicuíba. A Secretaria Estadual de Saúde esteve presente, com a participação das articuladoras do DRS1 CDQ e Atenção Básica do Estado de São Paulo.

Esse encontro é fruto do Curso Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde, promovido pelo Hospital Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa em parceria com Ministério da Saúde, onde Embu Guaçu e Carapicuíba apresentaram o Projeto Aplicativo “Implantação do Núcleo Municipal de Educação Permanente” como recurso para lidar com a baixa articulação/integração entre os serviços de saúde.

Dra. Maria Dalva (Secretária de Saúde) e Maria Julia Barbosa Moraes (Coordenadora da Atenção Básica), da Secretaria Municipal de Saúde, realizaram a abertura do Encontro e, de maneira muito afetuosa citaram a importância histórica da Educação Permanente em Embu Guaçu, de forma que as Rodas já contribuíram muito para a diminuição da mortalidade infantil num determinado momento no município. Citam a importância do reconhecimento e fortalecimento das práticas de Educação Permanente nos serviços de saúde, reforçam que a discussão dos processos de trabalho devem ser contínuas e que só os trabalhadores em suas práticas são capazes de discuti-las e alinhá-las em seus serviços. As Rodas do Núcleo de Educação Permanente acontecerão uma vez por mês com os representantes dos serviços de saúde e devem ser reproduzidas nas unidades de saúde.

Angelina Pereira (Mestre da Escola Paulista de Biodanza) trouxe vivências que sensibilizaram todo o grupo a pensar sobre formas de fortalecimento dos vínculos, confiança, troca de experiências, participação ativa, cuidado consigo mesmo e com a comunidade e ressalta que o contato físico e escuta qualificada, são recursos que nos aproximam muito e que muitas vezes são “remédios” mais efetivos no cuidado.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre o Autor

Departamento de Comunicação editor